Terça, 17 de Maio de 2022
30°

Poucas nuvens

Arcoverde - PE

Economia Negócios

Lockdown em Xangai afeta operações logísticas ao redor do mundo

Maior porto do mundo em movimentação de cargas vem enfrentando congestionamento e atrasos nas exportações.

13/05/2022 às 10h16
Por: Roberto Albuquerque Fonte: Agência Dino
Compartilhe:
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

O lockdown em Xangai, na China, em função de um surto de Covid-19 já causa impactos na logística global. O porto da cidade chinesa é o maior do mundo em movimentação de cargas e um dos mais importantes para o comércio internacional. Embora permaneça operando, o porto vem enfrentando congestionamento e atrasos nas exportações. Os reflexos se estendem para outros portos ao redor do mundo.

“Devido ao congestionamento nos portos chineses, estamos enfrentando problemas de falta de equipamentos para exportação no Brasil e nos demais países do mundo por consequência do atraso no retorno desses containers que estão atualmente parados nos portos chineses. O fato é agravado, pois os portos de Xangai e Shenzhen também são considerados hubs importantes para o transporte marítimo global”, afirma Eduardo Martins, gerente de exportação marítima e rodoviária da Windlog, empresa especialista em logística.

A situação atual impossibilita a China de proceder com importação em larga escala de insumos, o que afeta diretamente o ritmo da produção local e manufatura de mercadorias para posterior exportação desses produtos também em larga escala. Os atrasos logísticos refletem no aumento do custo do transporte de mercadorias, impactando no cenário de inflação nos mercados globais.

“Como atualmente a China ocupa a posição de maior importador e exportador no ranking mundial, é fato que haverá menor oferta de insumos e produtos manufaturados produzidos na China, o que por consequência é mais um fator a ser considerado no cenário de aumento da inflação nos mercados mundiais”, afirma o gerente.

No Brasil, as empresas que eventualmente têm os seus principais fornecedores de insumos na China necessitarão recorrer a fornecedores de outros países, que certamente irão vender os insumos com preços menos competitivos, o que influenciará diretamente no aumento dos custos e repasse no preço final das mercadorias.

“As empresas que trabalham com fornecedores provenientes da China deverão procurar novos fornecedores em outros países e eventualmente será necessário alternar os envios marítimos para o modal aéreo, no qual o tempo de trânsito é menor, porém com custo maior em comparação ao transporte por modal marítimo. A mesma estratégia se aplica na exportação, com a possibilidade de diminuição no fluxo das exportações para direcionamento da produção para venda nos mercados locais”, explica Eduardo Martins.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários