spot_img

Campanha de Multivacinação e Outubro Rosa: Dose contra o HPV ajuda na prevenção ao câncer do colo do útero

Entre 2014 e 2019, 77% das meninas entre 9 e 14 anos fizeram a primeira imunização, e 47% a segunda. Meta mínima é de 80% para ambas

Entre 2014 e 2019, Pernambuco tinha mais de 496 mil meninas entre 9 e 14 anos para vacinar contra o HPV (papilomavírus humano), que pode evitar diversos tipos de cânceres, entre eles o de colo do útero, o segundo que mais mata mulheres pernambucanas. Nesse período, chegou-se a uma cobertura de 77% na primeira dose da vacina e de 47,3% na segunda, que deve ser aplicada seis meses após a primeira. De acordo com o Programa Estadual de Imunização, a meta mínima para o imunizante é de 80% para ambas as doses, disponibilizadas gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS) e que fazem parte da Campanha Nacional de Multivacinação, que termina na próxima sexta-feira (30/10).

A vacina quadrivalente protege contra os subtipos HPV 6, 11, 16 e 18, sendo os dois últimos responsáveis por cerca de 70% dos casos de câncer de colo do útero em todo mundo. Segundo a médica Jurema Telles, coordenadora do serviço de oncologia do Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) e presidente da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica da região Nordeste, é importante fazer a vacinação na adolescência para que a proteção ocorra antes da exposição ao vírus, gerando melhor resposta imunológica. “Da infecção pelo HPV para desenvolver um tumor passam-se anos. Com a vacinação, se evita o desenvolvimento da inflamação e de infecção precursora ao câncer do colo do útero, uma doença 100% prevenível”, afirma a oncologista. A especialista ainda lembra da importância do exame preventivo regular (citopatológico/papanicolau). No Brasil, ele é preconizado dos 25 aos 64 anos de 3 em 3 anos após dois anos consecutivos de exame sem anormalidade.

A superintendente de Imunizações da Secretaria Estadual de Saúde (SES-PE), Ana Catarina de Melo, lembra que a vacina contra o HPV é disponibilizada de rotina nos postos de saúde e que os municípios estão mobilizados neste mês de outubro para ampliar as coberturas durante a Campanha de Multivacinação. “Precisamos lembrar que, além das crianças, os adolescentes também contam com um calendário vacinal que deve ser feito em tempo oportuno. Entre as doses disponíveis, está a vacina contra o HPV, inclusa no SUS desde 2014. O imunizante é seguro e, para que seja eficaz, é preciso completar o esquema de duas doses. Pais e responsáveis precisam estar atentos para levar as jovens para serem vacinadas, garantindo esse direito à saúde e auxiliando no desenvolvimento saudável e na prevenção, no futuro, de um dos cânceres mais letais entre o público feminino”, frisa Ana Catarina.

Além do câncer do colo do útero, a vacina contra o HPV dá proteção contra neoplasias vaginal, anal e de vulva; lesões pré-cancerosas; verrugas genitais e infecções causadas pelo vírus. “Nós temos os recursos no Sistema Único de Saúde para a prevenção ao câncer do colo do útero. A gente precisa chegar nas pessoas e  proteger as nossas crianças com a vacinação”, finaliza Jurema Telles.

CASOS E ÓBITOS – Em 2019, o câncer do colo do útero levou ao óbito 586 mulheres pernambucanas. No Estado, as estimativas para cada ano do triênio 2020-2022 são de 730 casos novos de câncer do colo útero, com uma taxa bruta de 14,64 ocorrências a cada 100.000 mulheres.

PÚBLICO MASCULINO – Desde 2017, os adolescentes também foram incluídos na vacinação contra o HPV no SUS. De acordo com informações do Ministério da Saúde (MS), essa vacina protege os meninos contra os cânceres de pênis, garganta e ânus, doenças que estão diretamente relacionadas ao HPV.

Entre 2017 e 2019, Pernambuco tinha mais de 346 mil meninos entre 11 e 14 anos a vacinar. Na primeira dose, a cobertura foi de 40,9%. Na segunda, 20,2%. A meta para o público masculino também é de imunizar, no mínimo, 80%. “A adesão à vacina contra o HPV entre os meninos é ainda mais preocupante. É importante que os gestores municipais criem estratégias para chegar até essa população. E ratifico que os pais e responsáveis precisam estar atentos ao esquema vacinal dos jovens. A vacina é o método mais seguro e eficaz na prevenção de diversas doenças, entre elas o HPV e os cânceres relacionados a ele”, destaca Ana Catarina de Melo. 

CAMPANHA DE MULTIVACINAÇÃO – Termina na sexta (30/10) a mobilização nacional para atualização da caderneta de vacinação das crianças e adolescentes menores de 15 anos. Todos os imunizantes para esse público estão sendo ofertados nos postos de saúde.

Para as crianças abaixo de 7 anos, as unidades disponibilizam os seguintes imunizantes: BCG, hepatite B, pentavalente, poliomielite, rotavírus, pneumocócica 10, meningocócica C, febre amarela, tríplice viral, varicela, hepatite A e DTP. A partir dos 7 anos, até os menores de 15, podem ser feitas as doses da hepatite B, febre amarela, meningocócica ACWY, HPV e varicela. 

No caso da vacina contra a poliomielite, deve ser feita uma dose indiscriminada nos meninos e meninas entre 1 ano e menores de 5 anos, caso eles estejam com o esquema básico da pólio completo. Ao todo, já tomaram essa dose extra, na forma de gotinha, 263 mil crianças, de um total de mais de 549 mil pernambucanos. 

spot_img

Faça seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Artigos Relacionados

spot_img

Siga-nos!

2,198FãsCurtir
148SeguidoresSeguir
5,870InscritosInscrever

Últimas postagens