spot_img

[FUNDAJ] Dia do Baobá será celebrado pela Fundaj neste sábado (19)

 

Programação virtual vai contar a história da árvore no Brasil e celebrar com o plantio de uma muda da espécie.

Com tronco largo, vida longa e fonte de inspiração para ritos e lendas, o baobá é uma árvore que conta muita história sobre nossa tradição. A planta de origem africana se aclimatou no Brasil e foi trazida pelos escravos, com sementes escondidas no cabelo, para que eles pudessem celebrar suas raízes. Neste sábado (19), a Fundação Joaquim Nabuco vai celebrar o Dia do Baobá para que o simbolismo por trás da árvore continue sendo repassado para as próximas gerações.

“O baobá tem uma representatividade muito importante para a nossa história. Ele é um símbolo de resistência do povo negro no Brasil e conservação da ancestralidade. A árvore mãe da África faz parte da nossa identidade e, por isso, deve ser celebrada e, principalmente, preservada”, destaca Antônio Campos, presidente da Fundaj.

A programação será transmitida pelo YouTube da Fundaj, a partir das 9h, iniciando com o plantio de uma muda de baobá no jardim do campus Casa Forte. Em seguida, o público poderá acompanhar o lançamento da exposição fotográfica “Pernambuco, jardins de baobás”. Para encerrar a programação, o Educativo do Engenho Massangana preparou um vídeo para mostrar o baobá do museu, que foi plantado pela família de Joaquim Nabuco, e falar um pouco mais sobre a sua história e como ele está ligado à ancestralidade e construção de identidade do Nordeste.

Em algumas regiões do território africano, o baobá é conhecido como a árvore mãe porque possui elementos úteis para a sobrevivência do ser humano. Suas folhas são nutritivas e, por isso, utilizadas para fazer saladas e sopas, os seus troncos conseguem armazenar litros de água e o pó originado das folhas secas e trituradas é fonte para medicamentos que podem combater anemia, raquitismo, diarréia, reumatismo e asma.

De acordo com uma antiga lenda africana, se um morto for sepultado dentro de um baobá, sua alma irá viver enquanto a planta existir, o que pode durar até seis mil anos. Outra mitologia conta, ainda que se uma pessoa der nove voltas de costas no baobá, é possível esquecer todo o passado. No Recife, ainda existem alguns baobás que sobreviveram ao desmatamento e degradação ambiental, mas a árvore ainda não é vista como símbolo de conservação e história.

“Uma nova forma de racismo parece estar em andamento, impune entre nós. Há cerca de um ano derrubaram, com o uso de uma serra elétrica, um dos raros baobás do Rio de Janeiro, em Niterói”, lamenta o chefe de gabinete da Fundaj, Marcus Prado, e comenta sobre a importância de se preservar a memória que a árvore representa.

 

 Clique na imagem para escolher um dos planos e venha falar conosco.      

spot_img

Faça seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Artigos Relacionados

spot_img

Siga-nos!

2,198FãsCurtir
148SeguidoresSeguir
5,860InscritosInscrever

Últimas postagens