spot_img

Estudante de escola pública de Ensino Médio Integral cria modelo de assembleia inspirado na ONU Mulheres

Lenice Ramos, de apenas 17 anos, aluna do Centro de Excelência Atheneu Sergipense, escola adepta ao Ensino Médio Integral (EMI) —  política pública e modelo de ensino nacional gratuito  —  desenvolveu uma versão da simulação da ONU exclusivamente para mulheres. O projeto conquistou o apoio e participação de atrizes, jornalistas, influencers e até mesmo deputadas. Suzana Pires, Sabrina Fernandes, Mariana Ferrão, Dora Figueiredo e Linda Brasil foram algumas das personagens que participaram dos encontros virtuais.

Com direção 100% feminina, o Atheneu ONU Mulheres busca proporcionar discussões sobre o contexto feminino no Brasil, refletindo sobre temas importantes, como o aumento da violência contra as mulheres na pandemia e a necessidade de maior representatividade na sociedade. Para desenvolver os debates sobre esses temas tão importantes e engajar ainda mais os alunos e a comunidade, foram realizados vários webinars, com bancadas compostas por mulheres de peso, assim como a criação de podcasts.

A ideia surgiu após um webinar promovido pelo Atheneu ONU – projeto que já existe desde 2019 por iniciativa de alunos e professores – com a Luiza Trajano, CEO do Magazine Luiza. Lenice chamou a atenção da empresária por ser a única mulher entre os organizadores da ação. Luiza então ofereceu à jovem um conselho: que honrasse o seu lugar ali e lutasse para garantir maneiras de ampliá-lo em outros espaços.

 

“Eu sentia que precisava criar meu próprio espaço. Algo que também fosse feito de forma consciente e assertiva. Por isso, junto ao professor Yuri Norberto, também orientador do Atheneu ONU, e com a intenção de trazer mais visibilidade a minha escola, propus desenvolver um recorte focado totalmente nas mulheres.” – contou Lenice.

 

Por estudar em uma escola de Ensino Médio Integral, cuja proposta pedagógica é multidimensional e se conecta à realidade dos jovens, a aluna sempre foi incentivada pelos professores-tutores a focar em seu Projeto de Vida e a se tornar protagonista da sua própria história, por meio dos clubes de protagonismo e matérias eletivas, que complementam a formação das disciplinas tradicionais. E foi com esse empurrãozinho que Lenice decidiu que estava na hora de fazer a diferença.

 

Trajetória no Ensino Médio Integral

 

A escolha pelo Centro de Excelência Atheneu Sergipense não foi por acaso. Em 2018, Lenice decidiu ingressar na mesma escola que seu pai havia estudado, buscando se reconectar com a sua história. “Depois da morte do meu pai, senti que precisava de algo para continuar, algo que me fizesse voltar a ser eu mesma e que mudasse a minha vida. O Atheneu foi a primeira escola a aderir ao Ensino Médio Integral em Aracaju, e eu não poderia ter feito escolha melhor.” – relatou a estudante.

 

Desde quando ingressou no EMI, Lenice sempre esteve envolvida em ações de grande impacto. Além do Atheneu ONU Mulheres, a aluna também participou do Parlamento Jovem Brasileiro – um programa nacional em que os jovens podem criar projetos de lei para serem apresentados em Brasília. Seu projeto, chamado “Absorvente é direito”, foi pensado na pobreza menstrual dentro das penitenciárias femininas, destinado às mulheres que não recebiam materiais básicos de higiene íntima. A ideia era implementar uma obrigatoriedade do Governo e dos Estados em fornecer kits com absorventes, papéis higiênicos e lenços umedecidos para os cuidados pessoais.

 

Lenice foi uma das quatro pessoas pré-selecionadas da etapa estadual, conquistando o segundo lugar na etapa nacional. Um enorme orgulho para toda a escola e comunidade. A estudante também é jovem protagonista e através do acolhimento – agora feito de forma virtual devido à pandemia – ajuda outros diversos alunos no processo de planejamento de futuro e Projetos de Vida.

 

O Ensino Médio Integral

 

Através de um modelo que foca no Projeto de Vida dos jovens e no desenvolvimento das habilidades e competências socioemocionais, o EMI busca proporcionar o amadurecimento do indivíduo, com o objetivo de prepará-lo não só para o mercado de trabalho ou para o vestibular, mas também para a vida.

 

Em todo o Brasil são cerca de 3720 escolas no modelo e 778 mil estudantes. A modalidade apresentou crescimento exponencial no último IDEB (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica), reforçando sua assertividade. Os índices de desempenho e rendimento também surpreendem. Enquanto a média nacional do IDEB foi de 3.9 pontos, o Ensino Médio Integral atingiu 4.7 pontos na média nacional, superando a meta Brasil de 4.6 pontos. Apesar de acumular os melhores resultados do Ensino Básico, o modelo, que promove a formação integral e cidadã dos jovens, ainda é pouco conhecido.

spot_img

Faça seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Artigos Relacionados

spot_img

Siga-nos!

2,198FãsCurtir
148SeguidoresSeguir
5,790InscritosInscrever

Últimas postagens