spot_img

Novo Bolsa Família: O que podemos esperar do programa em 2021?

Previsto para substituir o programa Bolsa Família, o Renda Cidadã deve ficar para 2021. Entre vários impasses, o mesmo se quer tem proposta de financiamento para começar a operar, além da criação para impostos sobre transações, nos moldes da extinta CMPF. Para entrar em ação, o governo Bolsonaro precisa definir detalhes técnicos e indispensáveis.

No caso do Renda Cidadã, todas as propostas apresentadas para financiamento do programa social foram barradas pelo presidente Jair Bolsonaro, como a unificação do Bolsa Família com o abono salarial, seguro defeso e salário família.

A alternativa de usar os precatórios e parte dos recursos do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica) também pegou mal no mercado financeiro. Mais uma ação que o governo foi obrigado a recuar.

Vale lembrar que esses impasses não são novos e existem desde a criação de um novo nome para o Bolsa Família, quando Bolsonaro proibiu que sua equipe citasse a expressão “Renda Brasil” e defendeu que fosse Renda Cidadã.

Problemas no Orçamento?

O Orçamento não deixa de ser um impasse, principalmente no período eleitoral. Um líder parlamentar afirmou que a proximidade do período de candidatura para as eleições municipais, de prefeitos e vereadores, e a necessidade de se votar o Orçamento do próximo ano atrasam as discussões sobre as reformas.

Segundo um vice-líder do governo, nenhuma das propostas deverá ser aprovada até as eleições municipais. Vale lembrar que o pleito é em novembro, seguido de recesso e Natal. Ou seja: todas as “novidades” que vêm sendo discutidas ficam, definitivamente, para 2021.

Essência do Bolsa Família remete ao governo Lula

Muito se questionou em que o programa social Renda Cidadã alteraria o Bolsa Família, do governo Lula. Fato é que, além da mudança de nome, as atualizações devem ser positivas, já que o governo Bolsonaro prepara o programa como estratégia para ser o carro-chefe de uma possível reeleição do atual presidente.

Quanto ao valor do salário, também deverá ser maior que o atual. A média do programa Bolsa Família é de R$ 190. A expectativa é que o valor das parcelas extras do auxílio emergencial sejam mantidas, já que acabam em dezembro deste ano.

Ou seja, mesmo que o auxílio emergencial não seja estendido ou “renovado”, o governo cederia o mesmo valor de R$ 300 através do Renda Cidadã e, dessa vez, contemplando ainda mais famílias, já que, segundo o próprio Bolsonaro, muitos núcleos ainda estão de fora do Bolsa Família e devem ser contemplados no Renda.

O cronograma e a forma de recebimento do benefício ainda não foi divulgado, mas sabe-se que o cartão Bolsa Família, via atual, será substituído.

Espera-se também que as famílias já cadastradas no Bolsa não sejam afetadas e nem precisem passar por um recadastramento, apenas atualizar, como sempre, as informações no Cadastro Único (CadÚnico) para comprovar a necessidade deste e de outros benefícios.

Vale lembrar que o andamento dos projetos sociais dependem do presidente da Câmara, Rodrigo Maia, que esteve, nesta segunda-feira (5), em reunião com o presidente Jair Bolsonaro, em um café da manhã, no Palácio da Alvorada, em Brasília.

O conteúdo da reunião foi justamente o Orçamento e o projeto Renda Cidadã. O ministro da Economia Paulo Guedes, porém, foi convidado, mas não compareceu ao encontro e, posteriormente, emitiu nota através da assessoria de imprensa afirmando uma reunião futura sobre o assunto ainda nesta segunda-feira (5).

spot_img

Faça seu comentário

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

spot_imgspot_img

Artigos Relacionados

spot_img

Siga-nos!

2,198FãsCurtir
148SeguidoresSeguir
5,800InscritosInscrever

Últimas postagens